SEGUIDORES...

31 de março de 2013

Trabalhando com a árvore genealógica








FONTE: Blog Arco-Íris

Textos para o dia das mães







FONTE: Blog Criando e Copiando Sempre.

Simetria







FONTE: Blog Criando e Copiando Sempre.

A criança do Maternal

 

Aos 2 anos: Aos dois anos, a criança demonstra certa independência, é capaz de realizar atividades mais complexas e relaciona-se mais facilmente com adultos e com outras crianças.
a) Desenvolvimento físico e motor:

  • Abre e fecha portas (com o trinco somente);
  • Sobe e desce da cama sozinha;
  • Sobe escadas colocando os pés em cada degrau;
  • Corre relativamente bem;
  • Participa do ato de despir-se e descalçar-se;
  • Rabisca numa folha grande de papel;
  • Encaixar cubos de diferentes dimensões.

b) Desenvolvimento mental:

  • Identifica algumas cores, embora não cite ainda seus nomes;
  • Conhece seu próprio nome;
  • Repete palavras, com alguma correção;
  • Conta até 3 (por imitação e memorização, sem que isso signifique que compreenda);
  • Reconhece objetos ou  pessoas vistas cerca de dois meses antes;
  • Forma frases com duas ou três palavras, apresentando aumento de vocabulário;
  • Começa a formar frases negativas e interrogativas;
  • Inicia o emprego do “quem”.

 c) Desenvolvimento sócio - emocional:

  • Reconhece expressões fisionômicas;
  • Reconhece a mãe em fotografias;
  • Compreende ordens negativas e proibições;
  • Necessita estar sempre ocupada;
  • Necessita muito da assistência da mãe ou substituta;
  • É negativista (gosta de ser do contra, ou recusar, protestar);
  • Começa a procurar um companheiro para brincar (a convivência com estranhos é útil par o seu desenvolvimento sócio - emocional).


A criança aos 3 anos:

a) Desenvolvimento físico e motor:

  • Continua aprendendo a coordenar os músculos maiores, por meio de atividades repetidas;
  • Sente prazer em correr e pular;
  • No desenho, encontra-se na fase de rabiscação celular (começam a aparecer as primeiras formas circulares, ainda sem intenção definida);
  • Geralmente tem controle esfincteriano;
  • Pode agarrar bolas grandes com as duas mãos;
  • Pode construir uma torre de nove ou dez blocos;
  • Pode abotoar, mas não desabotoar.

b) Desenvolvimento cognitivo:

  • Começa a formar sentenças mais longas, com três ou quatro palavras;
  • Gosta de perguntar e repete constantemente as mesmas perguntas não só para confirmar as informações recebidas, como pelo prazer do diálogo;
  • Só ouve e compreende de fato o que lhe é dito diretamente;
  • Gosta de inventar nomes para pessoas e objetos;
  • Gosta de inventar histórias, que conta como verdadeiras, sem intenção de mentir;
  • Pode comparar tamanhos;
  • Começa a usar números com significado;
  • Começa a aprender cores e figuras;
  • A duração da atenção depende do interesse na atividade;
  • Pode aprender semelhanças e diferenças;
  • Pode aprender a seguir ordens de dois passos (duas etapas);
  • Começa a entender direções (embaixo, em cima);
  • Interessa-se pelo funcionamento das coisas e como elas são usadas;
  • Começa a interessar-se por usar palavras que definem tempo (merenda, recreio, parquinho);
  • Pode falar até 10, embora só possa contar dois objetos;
  • Começa a entender o significado de “mais”.

c) Desenvolvimento da linguagem oral:

  • Gosta de falar, usar palavras corretamente e relaciona palavras com ações;
  • O vocabulário é geralmente de 750 palavras;
  • Entende e usa palavras abstratas, como em cima, embaixo, agora, depois;
  • Expressão comum: “Eu não sei”.
  • Ri muito;
  • Gosta de cantar;
  • Conversa com adultos, mas nem sempre está interessada em suas respostas;
  • Responde corretamente quando lhe perguntam sobre o que faz uma criança com fome, frio ou cansada.
  • Está mais aberta a falar palavras;
  • Gosta de elogios e aprovação;
  • Busca mais amizades com adultos e crianças, mas ainda gosta de brincar sozinha;
  • Torna-se perceptiva e reage a expressões de outros;
  • Começa a entender o significado de certo e errado;
  • Gosta de agir e fazer atividades de adultos (jogos dramáticos);
  • Mostra confiança e amor com palavras e ações;
  • Pode ter um companheiro de brincadeira imaginário – coisas imaginárias parecem ser bem reais;
  • Aparecem sentimentos de medo: cachorro, escuro, etc.
  • Não aceita alterações em suas rotinas, o que ocasiona conflito com outras crianças ou adultos;
  • Fala sozinha, praticando a linguagem e dando forma à imaginação;
  • Aparecem as dificuldades para a alimentação e o sono.

Recebendo as crianças no maternal


Os professores podem reunir-se com antecedência para enfeitar a escola e recepcionar com alegria os alunos.

Sugestões:
 
Um arco de balões e uma ajudante especialmente escolhida para receber as crianças com: um sorriso de boas-vindas poderá ser utilizado no portão da escola.

Estrelas feitas com papel laminado e presas por uma linha e durex transparente poderão ser colocadas no teto dos corredores da escola. Isso dará um efeito especial de boas-vindas.

Nas salas de aula, podem ser colocados balões, faixas e cartazes de boas-vindas. As portas das salas podem ter uma figura alegre de bichinho ou de uma criança com o nome do período ou da série colado abaixo.

Como lembranças do primeiro dia de aula podem ser confeccionadas “surpresinhas” como um balão em forma de coração preso a um palito de picolé coberto com durex colorido e preso a um cartão feito com cartolina.

Práticas para a ed. infantil: Classificação


Classificação

Proponha a brincadeira Vive na terra, no ar ou na água? Descrita a seguir. Além de motivar, essa brincadeira permite a socialização dos alunos e a construção de novos conhecimentos (classificação).
Organize os alunos sentados em roda. Dirija-se a um aluno de cada vez, obedecendo ou não à sequencia da roda, e pergunte se um determinado animal vive na terra, no ar ou na água.
Por exemplo: quando você pergunta: “A baleia vive na terra, no ar ou na água?” O aluno escolhido deve responder “na água”. “O papagaio vive na terra, no ar ou na água?” o novo aluno escolhido deve responder “no ar”. “O cavalo vive na terra, no ar ou na água?” a resposta deve ser “na terra”.
De vez em quando, pergunte aos alunos da roda se eles concordam com a resposta dada. Dessa forma, é possível corrigir enganos. Continue a brincadeira enquanto a turma mostrar interesse.


Classificação de sólidos

Programe atividades com os alunos usando sucata (tubos, caixas, embalagens, etc) que lembre os diferentes sólidos trabalhados: esfera, cone, cilindro, cubo, pirâmide de base quadrada e paralelepípedo. A sucata e materiais recicláveis devem estar bem limpos e preparados, para não ferir os alunos.
a) Explore o tato. Peça aos alunos que passem as mãos pelos objetos para sentirem a diferença entre as “faces chatas” e “faces arredondadas”.
b) Oriente-os a tentar fazer alguns objetos rolar pelo chão. Pergunte: “Como são os objetos que rolam mais facilmente?””Como são os objetos que não rolam facilmente?”

Práticas para a ed. infantil - 01


Expressão corporal

Peça que acompanhem com movimentos a letra da parlenda:

Pula, pula, pipoquinha
Pula, pula sem parar
E depois dá uma voltinha
Cada um no seu lugar

Essa parlenda é excelente para trabalhar expressão corporal.
Pode-se trabalhar também com os alunos a musica Pipoca de Paulo Tatit e Arnaldo Antunes.
 

Dentro – fora

Uma atividade para introduzir os conceitos de dentro e fora pode ser realizada ao ar livre e baseia-se na brincadeira Morto-vivo. Faça uma circunferência com giz na quadra ou emende tiras de jornal para formar um cercado no chão. Depois, brinque com os alunos dando ordens: “Quem está com alguma roupa vermelha, para dentro!Quem não está fique fora!”.”Quem tem cabelo escuro para dentro! Quem não tem fique fora!”

E, assim por diante,invente outras ordens. Os próprios alunos serão os juízes. Os alunos que se enganarem devem sair do jogo.

 
Pequeno – médio – grande

Explore os códigos de tamanho que aparecem nas etiquetas das roupas. Providencie com antecedência 3 camisetas – P-M-G para mostrar aos alunos. Peça que observem as etiquetas e pergunte se eles sabem o significado das letras que estão ali. Explique.

Para finalizar, entregue a cada aluno uma folha com o desenho de 3 camisetas de tamanhos diferentes. Eles devem escolher uma das letras (P,M ou G) para escrever em cada etiqueta, respeitando os tamanhos.


Antes e depois

Esta brincadeira permite ao aluno recriar uma sucessão lógica de fatos, situar-se no tempo e utilizar as noções de antes e depois.

a) Escolha uma ação que realizamos diariamente como, por exemplo, escovar os dentes pela manhã.
b) Peça aos alunos para lembrar o que aconteceu antes e o que aconteceu depois de eles terem escovado os dentes.
c) Prolongue a brincadeira recorrendo à ação que foi executada logo depois da primeira,e prossiga assim até que seja possível reconstruir com os alunos a cadeia de ações que levam à ação inicial.

Jogos para Ed. Infantil


Jogo do baleiro:


1° Passo: Confeccionar dois baleiros grandes feitos com papel ( um de cada cor);
2° Passo: Balas feitas com papel cartão coloridas (ou balas de verdade);
3° Passo: Dividir as crianças em dois grupos;
4° Passo: A criança joga o dado e coloca o número de balas correspondente no baleiro de seu grupo.
5° Passo: No final do jogo, fazer a contagem com as crianças. Ganha o grupo que tiver mais balas em seu baleiro.

 
Jogo do caracol

1° Passo: Desenhar um caracol no chão com fita crepe com casas numeradas de 1 a 10.
2° Passo: A criança joga uma bolinha feita com massa de modelar ou uma pedrinha na casa n° 1 e vai pulando com um pé nas demais (semelhante ao jogo da amarelinha) e assim sucessivamente. Não pode pisar na casa onde a massinha está.
3° Passo: Quando a criança erra, passa a vez para a próxima.


Jogo do aquário

1º Passo: Confeccionar vários peixinhos coloridos;
2º Passo: Dividir os alunos em dois grupos;
3º Passo: Fazer dois círculos no chão com durex colorido ou fita crepe.
Será necessário um dado para o jogo.
Explicação do jogo: Os dois círculos serão os aquários. Uma criança de cada vez joga o dado e coloca no aquário a quantidade de peixes correspondente ao número que tirou.
Fazer a contagem dos peixes com as crianças.
Ganha o grupo que tiver mais peixes.

 

Jogo do varal

1 º Passo: Confeccionar camisas e meias com papel colorido.
2º Passo: Pedir as crianças que tragam prendedores de roupa.
3º Passo: Pegar dois pedaços de barbante.
4º Passo: Amarrar os barbantes como se fossem varais.
5º Passo: Separar os alunos em dois grupos. O grupo das meias e o grupo das camisas.
6º Passo: Uma criança joga o dado e pega a quantidade de roupas indicadas. Todas devem jogar.
7º Passo: Ganha quem tiver mais peças no varal.

30 de março de 2013

Treinando a coordenação motora.







Atividades para trabalhar os sentimentos...











Lateralidade

Trago a dica deste site Kidsmart para trabalhar a Lateralidade com a Educação Infantil.
Vou postar duas, mas no site tem outras é só clicar.

I. Gomas Coloridas
 
Atividade de grupo.

Objetivo Geral:
Estruturar o conhecimento físico dos objetos.
Experiência Significativa
Distinguindo e identificando cores.

Desenvolvimento:
Realizar cartôes com gomas de diferentes cores e outro com uma formiga. Só um aluno terá o cartão com a formiga eo resto terá cartões com as gomas. A professora indicará ao aluno que tem a formiga a cor da goma que deve "comer" e ele deve chegar ate ela, para abraçá-la.

Recursos e Materiais:
Cartões com gomas coloridas।Um cartão com uma formiga

II। Vamos brincar de jogar no pátio?
 
Pequenos grupos.

Objetivo Geral:
Desenvolver a lateralidade.Identificar as relações espaciais.
Experiência Significativa
Reconhecendo o lado esquerdo e direito nos outros.Seguindo direções (para a frente, para trás, para cima, para baixo).

Desenvolvimento:
A professora desenhará quadros no chão com giz e colocará um objeto em vários quadros. Um aluno ficará dentro de um dos quadros a professora pedirá ao resto das crianças que estão observando que indiquem como ela deve se mover para chegar ao objeto que ela indicar. Exemplo: A professora pedirá que chegue até o quadro onde está a boneca e seus colegas lhe darão as "dicas": "dê 2 passos para a direita, 1 para a frente e 4 para a esquerda".

Recursos e Materiais:
Giz।Diversos objetos.
 

12 de março de 2013

Dinâmicas que podem ser adaptadas para trabalhar com os sentimentos...


Dinâmica do "O que você parece pra mim..."


Esta dinâmica pode ser empregada de duas maneiras, como interação do grupo com objetivos de apontar falhas, exaltar qualidades, melhorando a socialização de um determinado grupo.

Material: papel cartão, canetas hidrocor e fita crepe.

Desenvolvimento: Cola-se um cartão nas costas de cada participante com uma fita crepe. Cada participante deve ficar com uma caneta hidrocor. Ao sinal, os participantes devem escrever no cartão de cada integrante o que for determinado pelo coordenador da dinâmica (em forma de uma palavra apenas), exemplos:

1) Qualidade que você destaca nesta pessoa;

2) Defeito ou sentimento que deve ser trabalhado pela pessoa;

3) Nota que cada um daria para determinada característica ou objetivo necessário a atingir nesta dinâmica.

 

Dinâmica da "Sensibilidade"
Dois círculos com números iguais de participantes, um dentro e outro fora. O grupo de dentro vira para fora e o de fora vira para dentro. Todos devem dar as mãos, senti-las, tocá-las bem, estudá-las. Depois, todos do grupo interno devem fechar os olhos e caminhar dentro do círculo externo. Ao sinal, o Coordenador pede que façam novo círculo voltado para fora, dentro do respectivo círculo. Ainda com os olhos fechados, proibido abri-los, vão tocando de mão em mão para descobrir quem lhe deu a mão anteriormente. O Grupo de fora é quem deve movimentar-se. Caso ele encontre sua mão correta deve dizer:

 _Esta! Se for verdade, a dupla sai e se for mentira, volta a fechar os olhos e tenta novamente.

Obs: Essa dinâmica pode ser feita com outras partes do corpo.

Ex: Pés, orelha, olhos, joelhos, etc. Tem o objetivo de melhorar a sensibilidade, concentração e socialização do grupo.
Autor: Desconhecido

 

Dinâmica: Dinâmica do Amor


Objetivo: Moral

Devemos desejar aos outros o que queremos para nós mesmos.

Procedimento: Para início de ano Ler o texto ou contar a história do "Coração partido" - Certo homem estava para ganhar o concurso do coração mais bonito. Seu coração era lindo, sem nenhuma ruga, sem nenhum estrago. Até que apareceu um velho e disse que seu coração era o mais bonito pois nele havia. Houve vários comentários do tipo: "Como seu coração é o mais bonito, com tantas marcas?" O bom velhinho, então explicou que por isso mesmo seu coração era lindo. Aquelas marcas representavam sua vivência, as pessoas que ele amou e que o amaram. Finalmente “todos concordaram o coração do moço, apesar de lisinho, não tinha a experiência do velho.” Após contar o texto distribuir um recorte de coração (chamex dobrado ao meio e cortado em forma de coração), revistas, cola e tesoura. Os participantes deverão procurar figuras que poderiam estar dentro do coração de cada um. Fazer a colagem e apresentar ao grupo. Depois cada um vai receber um coração menor e será instruído que dentro dele deverá escrever o que quer para o seu coração. Ou o que quer que seu coração esteja cheio... O meu coração está cheio de... No final o instrutor deverá conduzir o grupo a trocar os corações, entregar o seu coração a outro. Fazer a troca de cartões com uma música apropriada, tipo: Coração de Estudante, Canção da América ou outra.

Contribuição enviada pela usuária: Tereza Cristina da Silveira Carvalho - Professora- Goiânia- GO

 

Dinâmica: "dança da cadeira cooperativa"
Objetivo: essa dinâmica serve para quebrar o gelo e fazer com que os participantes pensem sobre cooperação entre o grupo.
Materiais: 1 cadeira
Procedimento: consiste na brincadeira da dança da cadeira (mesmo procedimento), só que em ao invés dos que ficarem sem se sentar saírem, terão que se sentar no colo do amigo, de modo que ninguém fique em pé. É muito engraçado! Ao final, com apenas uma cadeira todo o grupo terá que se sentar um no colo do outro. Contribuição enviada pelo usuário: Luciene de Souza Figueiredo Pereira - diadema SP



FONTE DAS DINÂMICAS:



 

E MAIS:

EXCELENTE ARTIGO SOBRE EDUCAÇÃO PARA CONVIVÊNCIA E COOPERAÇÃO
http://www.cdof.com.br/recrea9.htm


FONTE:  www.cantinhoencantadodaeducacaoinfantil.blogspot.com

Trabalhando os sentimentos, na educação infantil e anos iniciais


TRABALHANDO COM AS EMOÇÕES DAS CRIANÇAS

 
Trabalhar com os sentimentos, envolve delicadeza e percepção por parte do educador. Não adianta falarmos se não colocarmos em prática aquilo que tanto pregamos. O professor é o espelho das crianças, que buscam imitar sua postura e gestos.

É preciso estar atento, para ver o que precisa ser trabalhado.

Com que emoções estamos lidando?

Como fazer a criança reconhecer seus sentimentos?

A criança está de luto, está triste, deprimida, agitada, ansiosa, enfim... é preciso muita atenção e paciência para perceber os sentimentos de cada um.

Abaixo segue um texto sobre este tema, encontrado na revista NOVA ESCOLA e sugestões de atividades, encontradas em álbuns do Picasa.

 

Como criar uma escola acolhedora:

Dar carinho é só o começo. Você mostra que se importa com os alunos quando ouve o que eles sentem e valoriza as capacidades e os gostos de cada um. Assim, ajuda a formar pessoas mais felizes e cidadãos responsáveis.

Hoje em dia é assim: eu preciso, eu quero, eu vou. Cada vez mais a sociedade estimula crianças e adolescentes a ter atitudes individualistas, que passam bem longe da reflexão e da responsabilidade com o próximo. O jovem só se sensibiliza quando se sente parte de um grupo — a família, a turma da escola, a sociedade — e entende que, em cada um deles, sua presença e sua contribuição são importantes.

 

Como a escola proporciona isso?

Oferecendo ao aluno o direito de ser ouvido e compreendido. Os professores que trabalham dessa maneira dão ao estudante caminhos para reconhecer seus sentimentos, desde pequeno. Daí para que ele se torne responsável por suas atitudes é um pulo. Para que você crie esse ambiente acolhedor, é necessário entender o que é afetividade e por que ela é fundamental na formação de pessoas felizes, éticas, seguras e capazes de conviver com os outros e com o planeta.

 

É preciso estimular a criança a dizer o que sente!!!

Imagine se um aluno de cinco anos chegasse um dia dizendo que queria falar com você e emendasse: "Meus pais estão brigando muito. Acho que eles vão se separar e estou com medo. Por isso tenho batido nos meus colegas". Absurdo. Crianças dessa idade dificilmente têm essa capacidade de expressão. Muito menos os adolescentes. Falar de sentimentos é difícil, principalmente na falta de um ambiente propício, que dê segurança e proteção suficientes para expor dores, medos e incertezas. Se o professor estimula a criança a expressar o que sente, logo vê mudanças significativas no seu comportamento.


Foi o que aconteceu com Daniel*, de 10 anos. Em 2004 ele foi matriculado na 4ª série do Colégio Ricaro, em São Paulo. Tinha dificuldades em fazer amigos e agia de forma bastante agressiva. Com muita paciência e conversa, a professora ganhou a confiança de Daniel, que passou a contar os problemas que tinha em casa. Aos poucos, ela descobriu que o garoto sentia muita falta da mãe, que via raramente.
Sem estímulo para expressar sua carência, Daniel só sabia agredir. Ao encontrar a compreensão da professora, fez amizade com os colegas e passou a ver na escola uma aliada.

 
"Pagar com a mesma moeda a agressividade de um aluno é pior. Trabalhamos muito com o Daniel para que, quando estivesse com raiva, não descontasse nos outros. Ele aprendeu a falar o que sentia", conta Sílvia Verônica Alkmin Piedade, coordenadora da escola.
Todo esse cuidado, que parece ir além das obrigações do professor com o conteúdo, reflete no rendimento do aluno. Daniel, por exemplo, apresentou uma melhora significativa ao longo do ano, concluído com boas notas. "É tarefa do professor ser justo e generoso com sua turma", afirma Yves de La Taille, do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. A justiça, segundo ele, está ligada a tudo aquilo que é de direito do estudante.
 

Dar uma boa aula, por exemplo, é obrigação do professor. "Mas se ele fica com a criança meia hora depois da aula para atender a uma dificuldade, isso é generosidade. Além de sua conduta ser um exemplo, demonstra que se importa com o aluno."
Pesquisa realizada com 70% dos professores de 1ª a 4ª série da rede municipal de Mutuípe, na Bahia, revela que 96% deles utilizam jogos, dinâmicas, brincadeiras, música e dança para prender a atenção da turma. No entanto, desses, apenas 13% se valem de tais atividades para trabalhar valores, emoções e sentimentos. "Os demais acham que esse tipo de atividade serve apenas como uma pausa no estresse entre um conteúdo e outro ou como uma forma de integrar, divertir ou tornar a aula prazerosa", afirma o psicopedagogo Silvar Ferreira Ribeiro, professor da Universidade do Estado da Bahia e coordenador da pesquisa. Os dados revelam, ainda, que também a maioria (87%) acredita que é possível e importante trabalhar as emoções, mas não sabe como fazer isso (veja quadro na página seguinte).

Alguns professores entrevistados por Ribeiro se interessaram pelo tema da pesquisa e resolveram estudar mais sobre o assunto, como Raidalva Sena de Souza, professora da 4ª série. "Passei a ver, na prática, como os alunos mudam suas atitudes quando damos espaço para eles se expressarem", conta. A professora teve vários alunos com histórias parecidas com a de Daniel. "Eles queriam muito que eu soubesse o que se passava em sua vida", conta. Um dos garotos tinha comportamento instável por causa de problemas familiares. Raidalva se aproximou do aluno e utilizou em sala atividades para falar dos sentimentos. "Hoje me emociono quando nos encontramos. Seu carinho por mim é enorme e isso é uma recompensa."


Bater papo sobre valores funciona mais do que sermão:

Os estudantes precisam pensar sobre as próprias atitudes e reconhecer os sentimentos que movem suas ações. Quando eles fazem isso, surgem oportunidades de, na prática, construir valores positivos. No caso de um aluno mentir, por exemplo, o ideal é conversar reservadamente com ele questionando as consequências dessa atitude, de como os colegas vão agir ao descobrir a verdade. E se há furto na sala, o melhor é bater um papo, na hora, sobre valores importantes como honestidade, justiça e confiança. "Construir valores não é escrever no quadro que temos de ser solidários ou que não podemos bater nos colegas", afirma a educadora Luciene Regina Paulino Tognetta, do Laboratório de Psicologia Genética da Universidade Estadual de Campinas, em São Paulo. "Isso se faz dando ao aluno a oportunidade de se colocar no lugar do outro e achar soluções alternativas para seus conflitos, sem agressão."

A questão, no entanto, inquieta os educadores. Até que ponto a escola deve interferir na formação dos valores da criança? Para Telma Vinha, professora da Universidade de Franca, em São Paulo, a escola trabalha o tempo todo com o assunto, mesmo sem planejar. "Isso ocorre quando são estabelecidas regras de convivência, por exemplo. Mesmo o professor que se coloca numa posição de apenas transmissor de informação também está passando um valor: o de que é o adulto que detém o saber", afirma. A construção de valores e atitudes cabe à escola, sim. O seu papel, professor, é identificar entre tantas opções o que pretende construir com sua turma.

 

DICAS:

Aproximar-se para o aluno compreender o quanto você se importa com ele.
Ouvir é a melhor maneira de formar pessoas seguras e felizes.
Valorizar o melhor de cada um é essencial para o crescimento.
Acreditar para melhorar a imagem que a criança tem de si mesma.


Acreditar no estudante é uma forma de ajudá-lo a crescer:

O modo como os professores enxergam a criança é essencial para o sucesso da aprendizagem. Quando não julgam e procuram se aproximar do aluno, acreditam nele, observam seu comportamento e incentivam suas capacidades, ele tem tudo para crescer. Com a ajuda dos professores da Unidade Integrada Mariana Pavão, da rede pública de São Luís do Maranhão, Vítor*, 13 anos, aluno da 4ª série, passou de "aluno-problema" para um dos melhores da turma. Filho de pais separados, ele mora com a mãe — que trabalha muito e não tem tempo de cuidar dele. Sem vigilância, o garoto passava a maior parte do tempo na rua e pouco ia à aula.

A diretora da escola onde Vítor estuda, Maria do Amparo Cantanhede Uchôa, acompanhou o aluno desde a 1ª série. "Quando ele chegou, mostrava um comportamento agressivo, o que se explica facilmente pela sua história de vida", conta. Em vez de considerar Vítor um caso perdido por causa de seus problemas familiares, ela e as professoras se empenharam para ajudá-lo a ter perspectivas e sonhos. E Vítor já tem. "Quero fazer faculdade, ter um emprego, uma casa, uma família."


MAIS DETALHES VOCÊS ENCONTRAM NO SITE:


 
FONTE:

6 de março de 2013

Sequência númerica






Indicação de leitura


Há dois meses recebi este e-mail e venho postá-lo aqui como indicação de leitura e também pedir desculpas ao caro autor pela demora em postá-lo, pois já fazia quase três meses que não conseguia acesssar meu e-mail, mas agora faço-o com prazer.



Nome:
Ricardo José da Silva
E-Mail:
Assunto:
DIVULGAÇÃO DE LIVRO SOBRE NÚEMROS PRIMOS
Mensagem:
Prezada Profa. Alessandra
Primeiramente quero parabenizá-la pelo excelente conteúdo do Site http://educacao-ale.blogspot.com.br

Venho através deste, solicitar a colaboração de V.sa para divulgação do livro
OS FANTÁTICOS NÚMERO PRIMOS como sugestão de leitura no Site http://educacao-ale.blogspot.com.br

Certo de vossa atenção, agradeço desde já
Ricardo José da Silva
ricardoj@ig.com.br

Mais informações
Livro digital: Os Fantásticos Números Primos
Autor: Ricardo José da Silva
E-mail: ricardoj@ig.com.br
Site Oficial:
www.osfantatiscosnumerosprimos.com.br
Fãpage:
www.facebook.com/osfantasticosnumerosprimos
Site Clube de Autores:
www.clubedeautores.com.br/book/135526--Os_Fantasticos_Numeros_Primos
Website:
Sender IP: 177.140.179.175


UM POUCO SOBRE:


Chega ao mercado o livro que releva novos métodos e fórmulas para extração de números primos com o auxílio de tabelas, gráficos e planilhas. Apresenta também regularidades e sequências numéricas inéditas e fascinantes encontradas na Tabuada de Pitágoras.
O Publicitário Ricardo José da Silva é um profissional apaixonado por desenhos desde criança, seu talento na arte de desenhar sempre chamou atenção de familiares, amigos, etc. Profissionalmente atua há quase 30 anos nas áreas de planejamento, criação, desenvolvimento e finalização de lay-outs, marcas, desenhos técnicos, anúncios, folhetos, catálogos, revistas, peças promocionais e publicitárias e Web Sites.

Mas foi nos últimos anos, estudando para complementar as revisões dos conteúdos, exigidos nos editais para concursos públicos, encontrou na Internet uma reportagem na Revista Superinteressante “A Inesgotável fonte dos números primos”, escrita pelo Professor da USP, Luiz Barco: no qual ele dizia: “quem ousar brincar com números descobrirá propriedades fascinantes”. Esta frase o motivou a pesquisar e conhecer melhor os números primos e saber que tantos matemáticos e pessoas que gostam de matemática estão a séculos tentando encontrar “A fórmula mágica” e descobrir a sequência de números primos.

E assim, uma pesquisa foi levando à outra e passou então se aprofundar no assunto sobre números primos.
Dessa pesquisa, passou a fazer sequências numéricas através de somas, diminuições, multiplicações, divisões, extração de raiz quadrada sempre utilizando a nossa famosa Tabuada.
Todo esse conteúdo se transformou no Livro Os Fantásticos Números Primos.
O conteúdo do livro tem como diferencial novos métodos e fórmulas para extração de números primos com o auxílio de tabelas, gráficos e planilhas, tudo de forma didática.

A obra inédita reúne informações embutidas na Tabuada de Pitágoras que nos revelam regularidades e sequências numéricas interessantíssimas de como os números se encadeiam e como se relacionam uns com os outros.

O objetivo é atrair o interesse de professores de matemática, por apaixonados por esta ciência exata e, principalmente, por estudantes para despertar o interesse, o aprendizado e o gosto pela matemática.


FONTE: http://www.matematicaufrb.com/

5 de março de 2013

Desenvolvendo a leitura e escrita


ATIVIDADES DE LEITURA E ESCRITA

 
Com o objetivo de expor as crianças à leitura e a escrita são desenvolvidas diversas atividades, algumas das quais serão descritas abaixo:

Contando Histórias


Os contos de fadas e histórias em geral são introduzidos desde que as crianças entram na pré escola e, como acontece também com as crianças ouvintes (Perroni, 1992), as histórias são contadas várias vezes, até que, valendo-se das perguntas do adulto, em um primeiro momento, as crianças comecem a relatá-las. Nota-se que depois de algum tempo, as crianças se apropriam do papel de “leitores”, olhando as letras e "lendo" as figuras para os colegas de classe.

Depois que as crianças demonstram já conhecer uma história, dramatizam-na, escolhendo os papéis. Desde cedo são incentivadas a registrar algum aspecto da história. Inicialmente tal registro se dá por intermédio de desenhos e nas classes mais avançadas, pela da escrita.


Percebe-se que, como na criança ouvinte, no início os desenhos são basicamente constituídos de garatujas sem significado consistente. Aos poucos vão tomando forma e significado, até que os alunos passam a fazer uma previsão do que será desenhado. Depois de algum tempo as formas vão se aproximando do real e podem até ser reconhecidas mesmo fora do contexto.

 

Adivinha quem é?


Fazem-se tiras de cartolina com os nomes das crianças e dos profissionais que atendem à classe, as quais são colocadas num saco. O professor sorteia um nome e as crianças adivinham de quem é. Após algum tempo de trabalho, quando a classe já se constituiu como grupo, dão-se pistas de quem é aquele nome: "É uma menina. Tem cabelo loiro. Está de tênis preto. Está de rabo de cavalo", etc. À medida que as crianças vão conseguindo identificar o portador das características apontadas pelo professor, as pistas vão se tornando menos óbvias. Esta atividade pode ser utilizada para identificar objetos de diferentes categorias semânticas, assim como animais. É possível, também, introduzir a identificação de pessoas e objetos usando a negação, o que possibilita o trabalho com eliminação de variáveis. Ex.: "Não é menina. Não tem cabelo preto." Uma outra possibilidade é as crianças assumirem o papel, antes desempenhado pelo adulto, de apresentar as características das pessoas e objetos para que sejam identificados pelos colegas.
Montando os Nomes

São colocadas duas tiras de cartolina com o nome na carteira da criança. Na frente delas corta-se uma das tiras, dividindo o nome em partes (duas ou três). No início mantém-se o modelo na mesa e a criança é solicitada a montar apenas o seu nome. Num próximo passo, ela trocará de lugar e montará também os nomes dos colegas. Passado algum tempo de trabalho e, se as crianças tiverem condições, retira-se o modelo da mesa. Se demonstrarem dificuldade ou solicitarem modelo, deverão recorrer à lousa onde sempre haverá o modelo. Após a montagem dos nomes, as crianças colam, numa folha de sulfite, a sua produção.


Registro dos Nomes das Crianças


Escrevem-se os nomes juntamente com as crianças na folha de papel que será utilizada para a produção e, em seguida, ela é entregue para o seu dono. Num momento posterior, antes da entrega das folhas, aproveita-se para estimular os alunos a fazerem o reconhecimento e identificação dos nomes dos colegas. Esta atividade permite muitas variações, como solicitar a uma criança que faça a distribuição das folhas; usar pistas de adivinhação, etc.... O mesmo pode ser feito com as pastas, objetos pessoais, etc...Posteriormente pode-se pedir às crianças que, além de identificarem, escrevam tanto o seu nome como os dos amigos. Quando as crianças já reconhecem os nomes, começa-se a estimulá-las à escrita dos mesmos.


Nessa fase de aprendizado, utiliza-se jogos mais elaborados e estruturados, como por exemplo:


- jogo da forca;

-descobrir quais letras faltam no nome dos amigos;
- perceber entre dois nomes selecionados suas semelhanças ou os critérios que foram utilizados para a seleção (quantidade de letras, letras semelhantes iniciais ou finais);

- bingo de nomes;

- letras misturadas para formar os nomes, etc...

 

Calendário

Todos os dias tiras de cartolina com os nomes dos alunos são colocados na lousa, dividida em quem veio e quem faltou à escola. Cada criança sorteia um nome, identifica de quem é, e o entrega ao colega que deve colar a tira com seu nome na lousa. Esta atividade tem variações, como colar a tira, mesmo que seja o nome do colega, após identificá-lo. O professor vai fazendo perguntas, como: "quem veio ou faltou na escola hoje?" e as crianças ou falam o nome, ou o procuram em meio às tiras de papel e, após o localizarem, colam a tira na lousa.

Uma outra possibilidade é combinar esta atividade com a “Adivinha quem é?”. O professor sorteia um nome e a criança cujo nome foi sorteado escolhe uma cor de giz e “escreve” seu nome na lousa, próximo à tira onde o mesmo está escrito. Para se expor à noção de tempo, inicialmente o professor vai introduzindo os conceitos oralmente e posteriormente através da escrita por meio de expressões como: ontem foi ...; hoje é ....; amanhã vai ser.... Nas salas de pré-escola, há uma expansão dos conceitos, introduzindo-se os dias da semana e os meses dos ano. Os materiais utilizados para o desenvolvimento do calendário são diversificados, podendo-se utilizar desde os calendários convencionais, até outros, feitos pelo professor e pelas crianças, variando- se a forma e o uso de acordo com a criatividade do professor. Pode-se introduzir no calendário as atividades que serão desenvolvidas durante aquele dia e na semana. Esta atividade, por ser repetitiva, pode ser aproveitada para se introduzir a exposição a outro tipo de letra, como a cursiva. Observa-se que é nessa atividade que as crianças tentam primeiramente substituir a letra de forma pela cursiva.

 

Correspondência entre Escrita e Objetos


Num primeiro momento as mesas e cadeiras são etiquetadas com os nomes das crianças, escritos pelo professor juntamente com a criança na cor escolhida por ela. Reconhecendo e identificando seu nome, a criança localizará sua cadeira e mesa, num primeiro momento com a ajuda do professor e depois de algum tempo de trabalho, sozinha. Posteriormente espera-se que ela seja capaz de fazer o mesmo com os objetos dos colegas. Não há um momento específico para esta atividade. Aproveitamos para fazê-la, quando vamos usar as mesas e cadeiras para comer, desenhar, etc...


Álbum de Fotos


Solicitam-se fotos de todas as crianças e profissionais que atendem à classe, tira-se xerox das mesmas, de modo que cada um tenha a sua cópia. Com as fotos trabalham-se os nomes e também estruturas frasais simples, do tipo: "Este é meu amigo Tarcísio". As estruturas são escritas junto com as crianças em folhas de sulfite, para montar um livrinho, de modo que cada um tenha sua cópia. Pode-se montar o livrinho também no caderno de desenho. Nas classes de pré-escola as fotos passam a ter uma conotação documentária Caixa de Fósforos com Fotos, Contendo Letras do Nome.


Esta atividade combina o reconhecimento de fotos e a montagem dos nomes, e é proposta somente quando os alunos já reconhecem todas as letras de todos os nomes. Inicialmente dá-se uma tira de papel para o aluno, na qual as letras de seu nome estão separadas, cada uma em um quadradinho. A criança recorta todas as letras, que, depois são colocadas dentro de uma caixa de fósforo com a sua foto colada do lado de fora. Esta caixa vai circulando entre todos os alunos, que tirarão as letras de dentro e tentarão montar os nomes, primeiramente com e mais tarde sem o modelo. Uma variação desta atividade é entregar às crianças envelopes contendo letras para que elas montem os nomes, sem o apoio das fotos.


Cantinhos

Esta atividade consiste em colocar em cada canto da sala diferentes tipos de estímulos, como: lápis e papel, jogos de montagem e encaixe, objetos que desenvolvam o jogo simbólico e livros infantis. No início, as crianças geralmente optam pelos jogos, ficando, como últimas opções de exploração, os cantos com livros e os com lápis e papel. No decorrer do semestre, estes cantos passam a despertar mais o interesse das crianças, que ao explorá-los, localizam letras de seu nome e dos colegas nos livros e contam as histórias aos colegas.

 

Relatos de Final de Semana


Usa-se caderneta de comunicação diária com os pais, onde geralmente são registrados pelas mães, entre outras coisas, o final de semana. É pedido às mães que escrevam o relato junto com a criança. Assim, na segunda-feira, após a atividade de calendário, o professor e as crianças sentam no chão em roda, e elas contam como foi o fim de semana. Muitas vezes as crianças não conseguem contar o que fizeram, principalmente no início do trabalho. Quando isto acontece, o professor lê junto com elas o que a mãe escreveu. Depois que todos fizeram seu relato, sentam nas cadeiras e cada criança conta o que foi mais significativo para ela. O professor elabora uma frase com a produção oral ou sinalizada da criança e a escreve na parte inferior da folha; lê o que escreveu e entrega para a criança desenhar. Passado algum tempo de trabalho o professor, após escrever nas folhas as produções das crianças, sempre em forma de frases ou de pequenos relatos, mostra as folhas para as crianças e todos juntos fazem a leitura de todas as produções. Em seguida entrega-as para seus autores. A entrega se dá da seguinte forma: o professor lê uma das folhas, sem falar o nome da criança, ex: "Foi ao cinema com a mamãe e o papai". Então todos tentam adivinhar quem é o autor daquele relato.

A seguir as crianças fazem o relato partindo do desenho, na folha escrita. Nos outros dias da semana, após o calendário, é feita a leitura do conteúdo de cada caderneta para a classe. A seguir os bilhetes são respondidos por escrito pelo professor, sendo a resposta lida a seguir para as crianças. Outra possibilidade é enviar para a casa das crianças folhas onde estão escritos os dias correspondentes ao final da semana (sábado e domingo) para que seja feito, juntamente com a família, o registro das atividades realizadas pela criança. Este registro pode ser feito usando-se desenhos, colagem de ingressos, figuras correspondentes a filmes assistidos, e mais tarde pela escrita.


É servindo-se desses pequenos relatos de finais de semana que as crianças começam a identificar e "ler" suas frases e as dos seus amigos. Elas iniciam a "leitura" de todos os elementos das frases (artigos, verbos, preposições etc ...) oralmente ou usando sinais. A partir daí, o contexto escrito começa a ser ampliado para textos de três ou quatro frases até chegar a textos mais longos e complexos.

 

Registros

Além do registro do relato de final de semana, trabalha-se também o registro de atividades e passeios. O professor trabalha com as crianças onde, como e quando vão, quem vai etc. Manda o bilhete para a mãe, comunicando o evento, sendo que a criança já sabe o conteúdo do bilhete. Na volta do passeio é realizada a dramatização e o registro do que aconteceu: “onde foram”, “quem foi”, “como foi”, “o que viram” etc. O registro se dá da mesma forma que os relatos de final de semana. Posteriormente, o registro passa a ser feito de duas formas: pelo professor com o grupo classe ou pelas crianças, que podem usar fotos como apoio para a sua produção. Outra possibilidade é, após a produção de um texto pelo grupo, pedir às crianças que relacionem as partes do texto às fotos correspondentes.

 

Leitura

Na leitura, todas as palavras podem ser sinalizadas e podem também ser utilizados o alfabeto digital para artigos, nomes próprios, e para algumas preposições e advérbios . Algumas preposições têm seus próprios sinais (para , com, etc ...) e são reconhecidas pelas crianças na escrita (facilitando a sua utilização na fala). Nota-se que com isso elas apresentam maior facilidade para reconhecer frases e palavras isoladas do texto.

Um fato bastante comum no desenvolvimento da "leitura" é uma sensível melhora na articulação das palavras mesmo pelas crianças com dificuldades. Elas parecem prestar mais atenção na sua articulação e na do outro, o que resulta numa fala mais inteligível. O uso da leitura orofacial como pista na busca da relação fonema-grafema também foi observado por Cruz (op. cit.). Ainda segundo Cruz, à medida que confrontam suas escritas com as informações que o meio lhes proporciona, as crianças buscam uma adequação maior na relação escrita/sonoridade. Quando se nota tal preocupação nos alunos, procura-se fazer com que busquem a forma convencional dos vocábulos, como ilustra o exemplo abaixo:

O professor pergunta à classe:

- Como eu posso escrever a palavra " bola" ?

Se as crianças responderem com a letra "O", tenta-se fazê-las pensar sobre o que vem junto com a letra "O", e juntos conseguimos chegar à escrita convencional, dando a pista auditiva, da leitura orofacial e do alfabeto digitalEste tipo de intervenção acarreta um envolvimento muito grande dos alunos, tornando-os mais atentos à relação fala x escrita, estimulando-os na busca da escrita convencional.

Nota-se também que nesse momento existe uma troca muito grande entre as crianças: aquela que percebe mais a relação fala x escrita acaba dando a pista para os colegas, fazendo com que as que não estão no mesmo nível sejam beneficiadas.

Embora a alfabetização formal se dê somente no Ensino Fundamental (primeiro grau), o trabalho tem início desde a primeira etapa da pré-escola com o objetivo de expor as crianças a uma escrita diversificada, envolvendo diferentes tipos de textos.

Procura-se usar estes textos nas mais variadas situações escolares e sociais, propiciando uma visão mais ampla da escrita: ela não se restringe somente ao ambiente escolar, passando a ter um significado mais amplo e dinâmico. A criança tem oportunidades de vivenciar o uso da escrita em diferentes contextos, percebendo sua utilização e significado para a vida.

Esta maneira de ver a alfabetização, em que a criança pode escrever de forma criativa e espontânea, reflete uma crença na necessidade da escola e do professor assumirem uma nova postura em relação a todo o processo.

Embora não seja objetivo que os alunos saiam alfabetizados da pré-escola, observa-se que muitos já começam a produzir seus primeiros textos, ainda que com a ajuda do professor, contribuindo para que a criança surda seja vista como escritor e leitor capaz de entender e se expressar.

OBS: Por gentileza quem souber a autoria deste texto por favor me comunique para que eu possa dar os devidos créditos ao autor.

Atenciosamente, Alessandra.

Template by:

Free Blog Templates